“Graduação generalista” é desculpa de incompetente

Estou cansado de ler comentários que tentam justificar o fato de alguém sair da graduação sem saber nada.

Na verdade, “saber nada” é uma expressão muito forte. Eu diria que a maioria procura culpados por terminar a graduação sem estar preparado para o mercado de trabalho.

Antes de ler este artigo, gostaria de pedir um pouco mais do seu tempo para ler outros dois artigos que relaciono abaixo e que motivaram a escrever este novo artigo:

Profissionais PTI – Sou formado, mas não sei nada!

Profissionais PTI – Educação: Ensino precisa passar por renovação urgente!

Bem, se você leu estes artigos, então está municiado para continuarmos. Vamos lá…

Afinal, quem são os responsáveis?

duvida

Muitos podem ser responsáveis por uma catástrofe como esta. Você cursar uma graduação por anos e, após a formatura, chegar à conclusão de que não está preparado ou sabe “nada”?

O primeiro artigo deixa muito claro esta questão dos culpados, onde:

  1. Você mesmo pode ser o único responsável. Escolheu o curso errado e se manteve por comodismo. Matou aulas e passou a maior parte do tempo se divertindo. Se formou nas costas dos colegas, copiando trabalhos e obtendo notas mínimas. Não foi curioso e dedicado o suficiente para ir além do proposto pelo professor. Foi um aluno que reclamava de tudo para se isentar da culpa do fracasso. Foi displicente. Deu pouca importância. Ficou com o notebook aberto o tempo todo nas redes sociais e conversando com amigos ou até mesmo resolvendo problemas do trabalho na sala de aula;
  2. O curso é responsável. Foi mal projetado. Composto por disciplinas ultrapassadas ou que não acrescentam conteúdo relevante ao aluno que busca esta formação. As disciplinas não estão integradas. A ementa não é bem elaborada. Referências bibliográficas são ruins ou antigas;
  3. Instituição de ensino é responsável. Pela má contratação de profissionais. Pela adoção de políticas inadequadas ao ensino moderno. Por manter uma infraestrutura deficitária. Pelo preenchimento de janelas com professores que não dominam a disciplina;
  4. Professores são responsáveis. Profissionais despreparados e que não dominam o conteúdo. Professores que conhecem muito o assunto mas não possuem didática. Professores que, simplesmente, não cumprem o Plano de Ensino e aplicam o conteúdo que lhe convém. Professores que não gostam do que fazem e estão na sala de aula apenas fazendo um “bico” para ter uma renda complementar, faltando com o comprometimento e ética para com os alunos;

Enfim, pode ser um destes itens ou todos, não importa. A questão abordada pelo primeiro artigo é clara e sua primeira publicação foi feita em 2009. O segundo artigo que recomendei foi publicado recentemente, agora em 2015 e reforça a ideia de que os problemas continuam acontecendo. Sem que haja uma completa reestruturação no ensino, milhares de alunos despreparados serão despejados no mercado.

Comentários infelizes

Pior do que constatar a atual situação do ensino, é ler os comentários. Alguns defendem a ilusão de que a graduação é generalista, não forma o profissional e que o “doutorado” existe para isso. Esta afirmação é absurda! Quem escreve isso não sabe para que serve um doutorado ou defende uma posição confortável! Quer dizer que as faculdades formam milhares de generalistas que não conseguem sequer seguir uma carreira dentro do que estudaram? Isso é desculpa de incompetente!

Ouvi algo muito semelhante de um professor do curso Pronatec, dizendo que o curso não formaria um profissional capaz de programar, que é tudo muito superficial e todo conteúdo técnico mais especializado seria dado apenas na graduação.

Um momento, vamos pensar… Se a graduação já está classificada como generalista, então somente teremos técnicos onde? No Mestrado? No Doutorado?

Vamos parar de inventar desculpas. Falando na formação técnica de Redes (Ensino Médio), quando houver um problema na rede física, a empresa vai chamar quem? Um Doutor? Claro que não! Vai chamar um técnico! Agora falando na formação de Informática (Ensino Médio), vão contratar um programador Doutor para codificar? Claro que não! Vão chamar um técnico!

Por isso continuo dizendo que passou da hora de reformular todo ensino. Claro que isso não significa que tudo esteja errado. Conheço professores que compartilham deste pensamento e que fazem um trabalho fantástico dentro da sala de aula, coordenando cursos, enfim, tornando melhor a qualidade do ensino. Mas há muito o que ser feito em uma escala ainda maior.

Não vou repetir o que escrevi em artigos anteriores, mas o professor da sala de aula, antes de ser um professor, precisa ter sido um profissional muito experiente para ter a capacidade e segurança de repassar o conhecimento “certificado” e testado no dia a dia. Fora isso, são apenas teorias e um amontoado de material a ser decorado.

Uma formação predadora

O Guepardo é um dos predadores mais respeitados

O Guepardo é um dos predadores mais respeitados

Até poderia ser tema de filme! Mas uma formação predadora, como o próprio nome sugere, forma os indivíduos que terão destaque no mercado de trabalho. São aqueles profissionais mais desejados e bem pagos. São os profissionais que ganham 5 vezes mais do que a média mas resolvem problemas em 1/10 do tempo médio.

Agora vocês devem se perguntar como formar estes profissionais? Será necessário ser um gênio? Serão necessários quantos anos para formar este indivíduo?

Eu digo com absoluta tranquilidade que estes profissionais podem ser formados até o final do Ensino Médio. A graduação seria a especialização da carreira escolhida.

Qual o segredo? Nada além de dedicação e seriedade, tanto dos alunos quanto dos professores. A Educação Lógica é apenas uma parte desta reestruturação do ensino. A escola têm o dever de esclarecer a mente dos alunos e abrir janelas para que cada um tenha a capacidade de fazer suas escolhas conscientes.

Não acredito na educação que não seja integral até o término do Ensino Médio. Lição de casa é inútil e apenas cria uma obrigação chata na vida do aluno. Assim como trazer serviço para casa, trazer as obrigações da escola não é interessante. Por isso defendo a educação em período integral. Disciplinas convencionais aplicadas com uma nova didática que desperte no aluno o interesse em desenvolver qualquer ciência. Que permita ao aluno encontrar aplicações para estas ciências nas diversas áreas existentes e, consequentemente, o surgimento da afinidade por uma destas áreas quando há o mergulho nas disciplinas técnicas.

Oportunidade para todos

friends_children

Minha grande preocupação hoje é pensar em como oferecer esta formação para todos de uma maneira igual. Manter profissionais altamente qualificados dentro de uma sala de aula passando suas experiências e utilizar infraestrutura adequada exige muito investimento. Muitas pessoas poderiam pagar por esta educação mas para levar esta mesma qualidade a pessoas de menor poder aquisitivo, somente com a ajuda de grandes empresas que compartilhem desta preocupação. Afinal, quanto mais pessoas com esta formação, mais profissionais capacitados no mercado e maior a produtividade, inclusive destas empresas que investem.

O projeto existe e completamente viável. Por enquanto somos pequenos fazendo nossa parte, mas espero o dia em que os reforços cheguem para tornar este projeto algo bom para todos. Como seriam estas bolsas de estudo? Este é o segredo do sucesso… Nada de provas ou ordem de chegada… Um dia eu conto.

Anúncios

Uma resposta para ““Graduação generalista” é desculpa de incompetente

  1. Pingback: "Graduação Generalista" é desculpa de incompetente! - Profissionais TI·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s